Datando do exército

A cura para as formas mais graves e resistentes da malária foi descoberta nos anos 70 através de uma pesquisa em textos medicinais de 1600 anos atrás.

2020.09.19 15:32 ssantorini A cura para as formas mais graves e resistentes da malária foi descoberta nos anos 70 através de uma pesquisa em textos medicinais de 1600 anos atrás.

A malária tem diversos agentes etiológicos. Os mais leves são tratados com Cloroquina e Primaquina. Os mais graves (causados pelo Plasmodium Falciparum) são tratados com diversas drogas mais "sofisticadas", sendo as principais Artemeter e Artesunato.
Essas drogas foram descobertas no final dos anos 60 e na década de 70, a partir de uma planta chamada Artemisia Annua. Mas como se chegou a essa planta e por quê?
A malária afeta pessoas nos trópicos há milênios. Geralmente os habitantes nativos possuem algum tipo de resistência parcial ou total a ela, mas quando pessoas de regiões não-tropicais se movem para áreas endêmicas, costumam se ferrarem legal com a doença.
Inclusive se diz que a malária foi a responsável pelo atraso da exploração do continente africano pelos europeus.
Bem, essa doença está aí há muitos séculos, mas nunca tinha sido objeto de investimentos pesados, dado que afeta regiões pobres e portanto o lucro potencial para medicamentos é pouco e não compensa. A malária vem sendo tratada com substâncias "naturais" como quinino há alguns séculos, mas nem todas as formas de malária são tratáveis com quinino ou com a cloroquina (medicação mais recente).
Se falta incentivo financeiro para a pesquisa de medicações anti-maláricas, é necessário outro tipo de incentivo que costuma fazer as coisas andarem: guerra.
Nos anos 60 o Vietnã do Norte invadiu o Vietnã do Sul para tentar reunificar o país sob um regime comunista. Ele tinha o apoio da URSS e da China. Enquanto o exército norte-vietnamita lutava no front, guerrilheiros vietcongues infiltrados por todo o Vietnã do Sul faziam ações de sabotagem e diversionismo.
Os vietcongues eram abastecidos por uma rota ("Rota Ho Chi Minh") que passava por Laos e Camboja. Nos anos 60, essa rota começou a ser afligida pelo tipo mais grave e resistente da malária, o que embaçava o suprimento, que por si só já era penoso.
Achar uma cura para todas as formas de malária passou a ser uma questão importante, pois o esforço de guerra precisava disso para continuar.
Ho Chi Minh fez um acordo com Mao Zedong. Este último criou o Projeto 523 para a pesquisa de uma cura para a malária. Foi uma espécie de "Projeto Manhattan" da malária. Uma das encarregadas pelo projeto era Tu Youyou.
O problema era como achar uma substância anti-malárica em pouco espaço de tempo. Tu Youyou teve uma idéia: ao invés de sair pesquisando ervas e outras substâncias a esmo, por que não perguntar aos camponeses nativos e pesquisar nos textos medicinais antigos?
Ela então saiu pessoalmente entrevistando camponesess nativos e catalogando as receitas que eles davam. Ao mesmo tempo,sua equipe vasculhou textos taoístas antigos, alguns datando de antes do Império Chinês ("Era dos Reinos Combatentes"). Não sei ao certo quantos textos vasculharam, mas foram muitos milhares. Por fim, acharam algo em um texto de 1600 anos: uma receita para "febre intermitente" baseada na planta Artemisia Annua. Daí foi só questão de aprimorar a extração do composto (a receita antiga mandava ferver, mas isso desnaturava algumas moléculas) e o resultado foi um estrondoso sucesso no teste com ratos. Daí pra frente foi só estudar a molécula, a farmacologia e criar variantes.
Por esse trabalho, Tu Youyou ganhou o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia em 2015.
Quais as 2 lições que podemos tirar desse caso?
1- Plagiar, colar ou pescar de textos prévios dá menos trabalho do que pesquisar do zero.
2- A guerra faz a ciência andar.
submitted by ssantorini to brasilivre [link] [comments]